fbpx

E se toda essa chuvarada virasse energia? Chineses descobriram como fazer.

Pequenas lâmpadas de LED acesas pela eletricidade produzida por gerador baseado em gotas de água (dir.)
Imagem: Universidade da Cidade de Hong Kong/ Nature

Engenheiros chineses criaram aparelho capaz de transformar gotas de chuva em energia

Uma gota é capaz de acender até 100 lâmpadas pequenas de LED

O equipamento ainda não permite o fornecimento contínuo de energia

Para os pesquisadores, tecnologia pode solucionar a falta global de energia renovável

Já pensou se a quantidade de chuva dessa semana em São Paulo pudesse ser usada para gerar energia elétrica para a cidade? Pesquisadores chineses estão bem perto de produzir um equipamento capaz de transformar toda essa força da natureza em eletricidade suficiente para ser consumida nas nossas casas. Engenheiros da CityU (Universidade da Cidade de Hong Kong) desenvolveram um equipamento capaz de transformar uma única gota de chuva em 140 volts de energia, o suficiente para acender, ainda que brevemente, 100 lâmpadas pequenas. Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Nature.

O equipamento foi chamado de DEG (gerador de eletricidade baseado em gotículas, na sigla em inglês), que usa uma estrutura conhecida como transistor de efeito de campo. Em linhas gerais, quando as gotas caem sobre o eletreto — material que é capaz de manter uma carga elétrica permanente – elas potencializam a carga elétrica existente. A energia se acumula e gradualmente atinge um ponto de saturação, uma “explosão” capaz de acender as pequenas lâmpadas.

“Nossa pesquisa mostra que uma gota de 100 microlitros (1 microlitro é igual a um milionésimo de litro) de água liberada a uma altura de 15 cm pode gerar uma tensão acima de 140 volts, e a energia gerada pode acender 100 pequenas luzes LED”, disse o professor Wang Zuankai, do departamento de engenharia mecânica da CityU, que lidera a pesquisa.

Essa “explosão”, no entanto, é momentânea e, até essa etapa dos estudos, ainda não foi possível fornecer um suprimento contínuo de energia. Por isso, o equipamento ainda é inviável para ser usado nas casas das pessoas. Segundo o professor Wang, ainda assim o resultado da pesquisa pode ajudar a solucionar, no futuro, o problema global da falta de energia renovável. Gerar energia limpa e renovável é um dos principais desafios dessa geração que já vive os impactos das mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global. Foram necessários dois anos de pesquisas para construir o dispositivo.


Fonte: UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

LOGIN
L