fbpx

Reitor da UEM participa de evento de inovação na UEL

a8ef4dd0 aadc 456f beec 1e8351576d69Acompanhado de uma comitiva de pesquisadores, o reitor destacou que o Paraná tem como diferencial o sistema público de Ensino Superior, que representa uma vantagem para o desenvolvimento estratégico

Fonte: Agência UEL

A UEL deu um passo importante para impulsionar a política de inovação a partir da aproximação do setor produtivo com a pesquisa desenvolvida nas várias áreas do conhecimento. Professores, estudantes, lideranças políticas e empresariais da região participaram na manhã do dia 28 do Inovatec 2019, que apresentou painéis sobre o tema, esclarecendo a legislação existente, além de abordar problemas que limitam a inovação tecnológica. O evento foi realizado no Anfiteatro Cyro Grossi, do Centro de Ciências Biológicas (CCB).

O reitor da UEL, Sérgio Carvalho, explicou que a missão institucional da Universidade é levar à sociedade o conhecimento produzido. No caso da UEL, são quase 50 anos de atividades acadêmicas, que constituem um ativo que não pode ser desperdiçado. Durante sua fala, o reitor afirmou que o fortalecimento da política de inovação da Universidade, só poderá alcançar o resultado esperado a partir de um sistema que alcance todo o Estado, engajando os diversos setores.

Ele listou que esta política de inovação passa por três dimensões distintas, iniciando pelo processo de Propriedade Intelectual. Em seguida é necessário dar publicidade para projetos que apresentem potencial para transferência de tecnologia. Em terceiro lugar, apontou o reitor, é necessário melhorar os mecanismos de transferência deste conhecimento, com vistas à arrecadação de recursos externos que possam melhorar equipamentos e laboratórios. “Não podemos desperdiçar os recursos que as Universidades dispõem. Precisamos manter este patrimônio como oportunidade para fazer do Paraná um estado cada vez mais desenvolvido”, afirmou Sérgio de Carvalho.

O Inovatec levou  a Londrina o reitor da UEM, professor Julio César Damasceno, acompanhado de uma comitiva de pesquisadores. O reitor destacou que o Paraná tem como diferencial o sistema público de Ensino Superior, que representa uma vantagem para o desenvolvimento estratégico. “Temos discutido uma aproximação para que possamos centralizar todos os esforços para o desenvolvimento da ciência e tecnologia e o fortalecimento do papel da universidade pública “, afirmou o reitor da UEM.

Regulamentação

A Assessora da Secretaria de Estado de Ensino Superior, Ciência e Tecnologia (SETI), Sandra Ferreira, confirmou que a pasta, que deverá ser transformada em Superintendência, já discute mudanças na regulamentação da área da Inovação, tendo como base a Legislação atual. Estas modificações passam pela aproximação com as sete Universidades Estaduais, demais Instituições de Ensino Superior e Institutos de Pesquisa, além da iniciativa privada.

Segundo a Assessora da Seti, as alterações consideram inclusive a distância da pesquisa com o setor produtivo, um gargalo que precisa ser equacionado. “Entendemos que este isolamento não pode haver. Existe um potencial que precisa ser transferido, levado à toda sociedade”, confirmou ela.

Para a coordenadora do Inovatec, professora Cristianne Cordeiro, diretora de planejamento e integração acadêmica, da Pró-reitoria de Planejamento (PROPLAN) da UEL, a inovação é uma ferramenta que pode gerar lucro para as Universidades, trazendo impactos positivos à sociedade, em forma de serviços, produtos e tecnologia. Ela classificou o evento como um painel para demonstrar e levar o conhecimento produzido para a sociedade.

Este foi o primeiro evento realizado pela UEL, dentro de um cronograma que prevê outras três reuniões até o final de 2019. Nesta primeira edição foram apresentados projetos desenvolvidos pelos pesquisadores do CCB, Centro de Ciências da Saúde (CCS) e Centro de Educação Física e Esporte (CEFE). Os demais eventos apresentarão projetos, ideias e produtos das áreas de exatas, sociais aplicadas e humanas, completando o ciclo dos nove Centros de Estudos existentes da UEL.

Para o deputado estadual Tiago Amaral, que participou do debate para a aprovação da atual Lei Geral de Inovação do Paraná, a iniciativa da UEL pode fortalecer os esforços desenvolvidos pela sociedade de Londrina que criou o Ecossistema de Inovação, considerando várias áreas de atuação. “Queremos que Londrina seja a capital da inovação”, afirmou o parlamentar. A Lei de Inovação estabelece mecanismos de cooperação entre setor público, setor privado e academia para o incentivo à pesquisa e ao desenvolvimento científico.

História – Outro participante da Inovatec foi o professor Ivan Lupiano Dias, aposentado do Departamento de Física, do CCE, um dos pioneiros no incentivo à Inovação na Universidade. Foi por iniciativa do professor Ivan que em 1992 o Conselho de Administração (CA) aprovou o texto Questão Tecnológica que deu início a um grande debate em Londrina, que resultou posteriormente na discussão dos Rumos do Norte, que buscava soluções para a economia regional.

Posteriormente, o documento originou o Projeto de Industrialização de Londrina, baseado em um Pólo Técnico da área de Biomédica, aprovado pelo Conselho Universitário. Este projeto originou mais tarde a Incubadora Industrial de Londrina, construída na Avenida Tiradentes, na zona oeste de Londrina, de onde saíram empresas que hoje atuam inclusive no mercado internacional. Para o professor, a iniciativa da Inovatec ocorre em um momento de maior maturidade, inclusive do setor produtivo.

Programação da Inovatec

Na quinta-feira (28) foram apresentadas duas palestras. A primeira com Tatiana Fiuza que falou sobre o tema “Você sabe afinal o que é inovação?”. Ela é jornalista de formação, atuou como consultora da incubadora MIDI Tecnológico em Santa Catarina, e coordenou o Escritório de Transferência de Tecnologia (ETT) da Agência de Inovação Tecnológica (Aintec) da UEL, além de gerente da Incubadora Internacional de Empresas da UEL (Intuel). Atualmente ela trabalha com consultoria em Gestão de Inovação.

A outra palestra foi sobre “Políticas de inovação no brasil: um olhar crítico”, com o engenheiro Luciano Cunha de Sousa, coordenador de iniciação científica e de pesquisa do Instituto Processus. Ele foi Diretor de Tecnologias Inovadoras na Secretaria de Inovação e Novos Negócios, no Ministério de Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Atualmente é Coordenador Geral de Tecnologias Inovadoras da Sub-Secretaria de Inovação no Ministério da Economia.

Participaram do Inovatec 2019 estudantes, professores, pró-reitores, diretores de órgãos e unidades da UEL, além de dezenas de convidados. Entre as autoridades estiveram presentes o presidente da Câmara de Londrina, Ailton Nantes, vereador Eduardo Tominaga, ex-deputado federal, Alex Canziani, André Luiz Miloni, diretor da Aintec da UENP, Arnaldo Falanca, diretor executivo do Convention Bureau de Londrina, Adelar Moter, representando o Iapar, Fabrício Bianqui, do Sebrae/Londrina, Gilmar Machado, do Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e o professor Jorge Edson, representante da Fundação Araucária. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

LOGIN
L